23 de fev de 2017

Poesia: Primitivo
















Primitivo

Nunca perfeito.
Carga genética,
Desde as cavernas.

Jorge Jacinto da Silva Jr.




21 de fev de 2017

Poesia: La Femme















La Femme

Caráter não se mede
Se prova e se pede
Aos olhos não se deve
Se fazer nas roupas
Que uma mulher as veste.

Jorge Jacinto da Silva Jr.






14 de fev de 2017

Poesia: Melodia





















Melodia

O verdadeiro Amor é
como bela música,
mostra uma força enorme,
mas ao mesmo tempo
uma delicada ternura.

Jorge Jacinto da Silva Jr.



10 de fev de 2017

Poesia: Livre como o Ar


















Livre como o Ar

Seu amor é assim
Livre como o ar.
Recusa a liberdade,
Somente dentro de mim.

Jorge Jacinto da Silva Jr.





7 de fev de 2017

Poesia: Inexorável
























Inexorável  

O amor por si próprio é assim,
Quase da razão um combate.
Vê uma fresta, e por ela,
Avassalador tudo invade.

Jorge Jacinto da Silva Jr.













3 de fev de 2017

Poesia: Minha Sorte
























Minha Sorte

Escrevi seu telefone e seu nome
Em um pequeno bilhete,
Como um biscoito da sorte.

Jorge Jacinto da Silva Jr.




1 de fev de 2017

Poesia: Livre-arbítrio


























Livre-arbítrio

Da minha vida cuido eu!
Esta é a minha verdade.
Eu sou o responsável,
Por minhas irresponsabilidades.

Jorge Jacinto da Silva Jr.






30 de jan de 2017

Poesia: Desencaminho

























Desencaminho

Muitos procuram aqui viver assim.
Na ânsia de querer sempre acertar,
Perdem-se em caminhos tortuosos
E mais dolorosos para a paz chegar.

Jorge Jacinto da Silva Jr.








19 de jan de 2017

Poesia: Discernimento

















Discernimento

À mente, a calma.
Tranquilidade na boca,
Com a clareza da alma.

Jorge Jacinto da Silva Jr.




27 de dez de 2016

Poesia: Ato de Amar















Ato de Amar

Mais Amar do que ser amado!
O ato de amar e tão generoso,
Que se permite ser compensado.

Jorge Jacinto da Silva Jr.




Poesia: Gavetas de Sentimentos












Gavetas de Sentimentos

Eu faço questão
De guardar momentos.
Contudo, mantenho arrumadas
Algumas das gavetas
De meus sentimentos.
O que está fora disso,
Deixo para que o novo ano
Faça que não me pertença
Todos esses enganos.
Livrando-me do peso 
E do que me dá dor de cabeça.

Jorge Jacinto da Silva Jr.




26 de dez de 2016

Poesia: Conformidade
















Conformidade

Quando não está bom
Não podemos ficar
Sem fazer nada.
É errado nos contentar
Com catar de poucas
Migalhas.

Jorge Jacinto da Silva Jr.