19 de jan de 2017

Poesia: Discernimento

















Discernimento

À mente, a calma.
Tranquilidade na boca,
Com a clareza da alma.

Jorge Jacinto da Silva Jr.




27 de dez de 2016

Poesia: Ato de Amar















Ato de Amar

Mais Amar do que ser amado!
O ato de amar e tão generoso,
Que se permite ser compensado.

Jorge Jacinto da Silva Jr.




Poesia: Gavetas de Sentimentos












Gavetas de Sentimentos

Eu faço questão
De guardar momentos.
Contudo, mantenho arrumadas
Algumas das gavetas
De meus sentimentos.
O que está fora disso,
Deixo para que o novo ano
Faça que não me pertença
Todos esses enganos.
Livrando-me do peso 
E do que me dá dor de cabeça.

Jorge Jacinto da Silva Jr.




26 de dez de 2016

Poesia: Conformidade
















Conformidade

Quando não está bom
Não podemos ficar
Sem fazer nada.
É errado nos contentar
Com catar de poucas
Migalhas.

Jorge Jacinto da Silva Jr.



23 de dez de 2016

Poesia: Feliz Natal 2016





















Felicidade e Saúde no fim são os maiores presentes.
Energias Boas cultivadas com sorriso nos dentes,
Levam o Bem para todos que convivem entre nós.
Intensidade de agir o certo mesmo com fortes emoções
Zela o equilíbrio que nos faz nas dificuldades mais fortes.


Não devemos na correria do dia a dia esquecer do próximo.
Amor vai muito além que um simples presente compartilhado
Todos devem a consciência que fazem parte de um todo inacabado
Aí está guardado o segredo  inquestionável de viver melhor
Leve o Natal  para Vida e Amor incondicional onde quer que for.


Jorge Jacinto da Silva Jr.



20 de dez de 2016

Poesia: Viver o Agora

























Viver o Agora

É hora de Viver o Agora!
E crer que o Amor,
Seja sempre mais Amor
E jamais vá embora.
E que vivamos nesta eternidade
Em todas suas formas sãs
Como que não se precise mais
Existir um amanhã.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

19 de dez de 2016

Poesia: SUBLIME
























Sublime

Foi a melhor viagem que fiz
Quando me vi solto de mim
Vivo em tudo que não me via
Aqui vivo dentro de mim.

Jorge Jacinto da Silva Jr.








15 de dez de 2016

Poesia: Mata-me de Amores










Mata-me de Amores

Como não morrer de amores...
Quando seu perfume suave,
Seu gosto incomparável me invade
E delicada tranquiliza minhas dores.

Como não morrer de desejos...
Quando em minha boca quente
Derrete-se como um doce beijo.

Como não morrer de vontades...
Faz-me simples arrepiar a pele
Uma bela barra de chocolate.

Jorge Jacinto da Silva Jr.



12 de dez de 2016

Poesia: Espiritualidade

























Espiritualidade

Não importa a que,
Nem os seus porquês. 
Pode ser qualquer religião,
Mas que esta conversão
Se faça para o Bem.

Jorge Jacinto da Silva Jr.






9 de dez de 2016

Poesia: Transição

























Transição

E assim o tempo passa...
Até que algo forte se faça,
E que nossas vidas mude.
Por vezes que se confunde
A intensidade da emoção,
Talvez um grande amor
Ou uma grande solidão.
Tudo transição. 

Jorge Jacinto da Silva Jr.






6 de dez de 2016

Poesia: Permuta

















Permuta

Em nossas vidas têm coisas
Algumas por vezes absurdas,
Que o tempo não as curam,
Só da mente cansada
Para o coração as mudam.

Jorge Jacinto da Silva Jr.


1 de dez de 2016

Poesia: RADAR
























Radar

Joga-se longe ao vento.
Sem receios voa livre.
Explorando sentimentos
Ao tato ato que arrebata,
Pois poeta disso vive:
Do ecoar de suas palavras.

Jorge Jacinto da Silva Jr.