22 de jan de 2014

Poesia: CABELOS DESARRUMADOS























Cabelos Desarrumados

Vejo, com olhos ainda dúbios
O desejo e a gratidão do perigo,
Deste olhar certo em minha direção.

Sorri observando seu conturbado
Tentar de seu esoterismo, até hilário,
Adivinhar o que estaria por acontecer.

Foi neste beijo na chuva
Que sua boca ficou muda,
E meu coração redeu-se sem pudor.

Desculpem-me aos apreciadores da beleza,
Mas uma mulher com cabelos molhados
E desarrumados é tudo de sedutor.

Jorge Jacinto da Silva Jr.