27 de dez de 2013

Poesia: TEMPO BANDIDO


















Tempo   Bandido 

O tempo sempre nos rouba
Ainda que algumas peças de roupa
Que não nos servem mais

Escraviza os propósitos
Do pensar comodista notório
Que vive de percalços acidentais

Poupa somente o despertar partido
Este é o motivo do tempo ser bandido
Por levar nossa vida em segundos

Mas convenhamos, que nesta jornada 
Tempo não é problema para nada
Mas sua falta, desculpa para tudo.


Jorge Jacinto da Silva Jr.






26 de dez de 2013

Poesia: Caminhar com as Próprias Pernas




















Caminhar com as Próprias Pernas

Tem uma hora,
E a maioria do tempo,
Que é preciso caminhar o agora
Sem render-se a lamentos.
Caminhar com suas próprias pernas
E tomar suas íntimas decisões,
pois as chances não são eternas.
Eis a lição!

Jorge Jacinto da Silva Jr.


Poesia: Busca de Ar














Busca de Ar

Percebe-se que o ar
Não é mais apenas ar
Tem agora seu perfume
Agora sinto-me imune
A qualquer tipo
de infelicidade.


Jorge Jacinto da Silva Jr.





13 de dez de 2013

Poesia: Buquê de Flores














Buquê de Flores

Há diferentes tipos de amores.
Com certeza em a sua espera,
pois amar é uma busca eterna
mesmo juntos qual buquê de flores.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

10 de dez de 2013

Poesia: Assim me completo...












"Assim me completo,
Entrego-me a este
Sentimento cego.
O AMOR".

Jorge Jacinto da Silva Jr.

24 de out de 2013

Poesia: Sem Perceber











Sem Perceber

Esta qualidade a você compete.
Pode me prender e desprender
tão facilmente, e mesmo,
Quase assim sem eu perceber
A você cada vez mais pertenço.
                                           
Jorge Jacinto da Silva Jr.

14 de out de 2013

Poesia: Azul


























Azul

A palavra tão mais azul
Como a calmaria de um mar límpido

O perfume tão mais azul
Como cheiro bucólico de pão quentinho

O vento tão mais azul
Como respirar ofegante ao pé do ouvido

A música tão mais azul
Como a melodia de seus passos se aproximando

A flor tão mais azul
Como a suavidade do seu beijo

O meu amor  tão mais azul
Como a alegria de um céu iluminado

O Voar tão mais azul
Como o pousar seguro em seus seios

Minha vida tão mais azul
Com  seus olhos ao meu lado

Jorge Jacinto da Silva Jr.

7 de out de 2013

Poesia: Quando a Saudade Bater

















Quando a Saudade Bater

Antes da saudade em mim bater,
Bato-me sorrateiramente em retirada.
Não jogo uma partida encerrada
E não há muito mais para sofrer.

É uma trama de chamas em pira.
Lenhas inflamadas e comburentes,
Agindo na mente como entorpecentes
No persistir de viver em mentiras.

Mesmo a saudade perdurar a doer.
Não passa de uma dor marcada,
E no seu tempo finda e é curada
Não subsistindo sozinha a viver.

A saudade vestida da verdade é aquela menina,
Que mesmo sem maquiagem e desarrumada,
Quando a vejo comedida e enamorada
Incomoda-me a alma de forma desmedida.

Jorge Jacinto da Silva Junior

4 de out de 2013

"Ambição, vontades..."













"Ambição! Vontades, sonhos irreais e vaidades,
Não constroem muros,
mas se fazem no descontrole, prisão".

Jorge Jacinto da Silva Jr.

27 de set de 2013

Poesia: Cativa-me













Cativa-me

Mas se tu me cativas,  
Não teremos a necessidade
Mesquinha um do outro.
É neste desprendimento que está
O início do verdadeiro Amor,
Pois seja como for,
O Amor se faz na liberdade
E não na iniquidade do ser.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

24 de set de 2013

Homenagem a Helena Kolody - Acróstico para Helena





















Acróstico para Helena *

Helena Kolody com a poesia,
Enfeita o ar com plumas.
Leve pensar solto noite e dia,
Em palavras combinadas a dançar
Nos lábios de quem procura
Alcance de sonhos para sonhar.

Dama do recitar sereno,
Onde versos viram encantos.
Conforta tão pouco os lamentos
Em magia envolvente sem tamanho.

Poesias que se revelam em todas as estações,
Onde o trem dos sentimentos encontra multidões
Em um aguardo eterno de simples descobertas.
Transforma a decepção do entender em realização,
Inspira a emoção terna nos mais duros corações,
Sendo libertar da alma em flor de primavera que
Abre-se ao mundo que insiste em se fechar para o amor.

Autor: Jorge Jacinto da Silva Jr.

* Homenagem a Helena Kolody
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Helena_Kolody

20 de set de 2013

Poesia: Sou Aquele






















Sou Aquele

Sou aquele que te domina o coração.
Que te rouba a alma como um vampiro.
Aquele que te doura a pele como sol de verão,
Neste fugaz desejo que envolve seus sentidos.

Sou aquele que te conforta na solidão.
Um ombro amigo no abraço de aconchego.
Aquele que te esquenta o corpo com decisão
De realizar todos os seus sinceros desejos.

Sou aquela sombra que te provoca medo
Ao te perseguir no amanhecer dos seus segredos,
Quando aqueço suas mãos frias de nervosismo.

Sou aquele único que percebe suas buscas,
Por isso eu quero muito além de simples juras,
Para não me perder na indecisão de seus abismos.

Autor: Jorge Jacinto da Silva Jr.

19 de set de 2013

Poesia: Acalanto da Fé












Acalanto da Fé

Jamais serei derrotado.
Manter-me-ei em pé.
A Paciência está ao meu lado,
E meu descanso está  na Fé.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

2 de set de 2013

"A Vida é questão de postura..."





















"A Vida é questão de postura e atitude! Se ficamos aguardando o vento nos levar, ele nos leva. 
Todavia para caminhos os quais não queremos, e na velocidade que não estamos preparados".

Jorge Jacinto da Silva Jr.


27 de ago de 2013

Poesia: Aquarela





Aquarela

No salto-alto lá vem ela
Quantas cores para pintar
Dependendo do observar
E do refletir da luz

É praticamente
Uma obra de arte em exposição
Que desfila pelas ruas
Provocando-me emoções

Pinta minha alma 
Colore minha vida
Misture sua cor a minha
Aquarela prometida

Jorge Jacinto da Silva Junior

30 de jul de 2013

"A Saudade sempre será nossa companheira na vida, todavia, temos que por ela ter paciência para enfim entendê-la".












"A Saudade sempre será nossa companheira na vida, todavia, temos que por ela ter paciência para enfim entendê-la".

Jorge Jacinto da Silva Jr.

8 de jul de 2013

Poesia: Amor e Vaidades
















Amor e Vaidades

Nisso que consiste,
O amor na verdade.
Desatar de nós impostos
Por nossas vaidades.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

18 de jun de 2013

Poesia: Depois de Você

























Depois de Você

Entendi que a saudade mora,
Junto a outros sentir,
Além da torpe ausência.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

14 de jun de 2013

Poesia: Desvio de Conduta












Desvio de Conduta

Talvez não haja remédio...
Mentira é um desvio
de conduta muito sério.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

Poesia: Decifra-me




Decifra-me...

Sou simples segredo.
Poucas palavras revelam,
O poder para me dominar.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

6 de jun de 2013

Poesia: Amante Literário












Amante Literário

Língua Portuguesa
Como um doce beijo
Provoca-me a libido

Jorge Jacinto da Silva Jr.

5 de jun de 2013

Poesia: É algo assim...












"Amor é algo assim.... 
Pode não significar
nada para você,
Mas é tudo
Para mim!

Jorge Jacinto da Silva Jr.

3 de jun de 2013

Poesia: Liberdade

























Liberdade

Deixando fluir... Fluo.
Deixando sentir... Sinto.
Deixando viver... Vivo.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

Poesia: Leve como o Amor














Leve como o Amor

O Amor deve ser leve
Quanto uma pluma.
Se pesado, não se confunda,
Há outros sentimentos
Nessas emoções pegando carona
E a culpa é totalmente sua.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

29 de mai de 2013













Cara a Cara

É onde se esconde a verdade.
Este seu sorriso de lado nada significa.
Quero saber sua real personalidade.
Olhe-me nos olhos e não finja.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

22 de mai de 2013

Poesia: Acróstico Minha Linda Curitiba
























Acróstico Minha Linda Curitiba

Minha Curitiba do leite quente,
Intervinda à guria que desfila
Na Rua XV a Boca Maldita.
Habitando um caminhar doce
Acalmando a agitação com suas cores.

Lembrava eu, tão antes, somente Curitiba
Inclusões dos passeios ao Tanguá, São Lourenço e Barigui.
Naquelas tardes de verão, eu reconheço,
Destes passeios muito se fez parte de mim.
Ali vívidas as mais eternas emoções em família.

Caminhar pelo Jardim Botânico,
Uns dias para revitalizar o corpo.
Risos e petiscos na Praça da Espanha,
Ilumina o relacionamento com sorrisos frouxos.
Transporta ao maior de meus sonhos viver aqui feliz.
Idas ao Museu Oscar Niemeyer para contemplar aquela
Bailarina que dança a arte em detalhes de sua saia rodada.
Aqui em Curitiba a cultura faz saudável morada.

Jorge Jacinto da Silva Junior

21 de mai de 2013

Poesia: É algo assim...




É algo assim...
Tão diferente
e tão igual,
que combina!

Jorge Jacinto da Silva Jr.

16 de mai de 2013

Poesia: Você






















Você...

Você me olha nos olhos
E parece que sabe dos meus sonhos
Como  dominasse meus pensamentos.

Tento entender o que acontece
Mas isso me enlouquece
Pois só lembro de nossos momentos.

Você me invade em desejos
Roubando-me em cada beijo
Aprisionando-me a seu sabor.

Envolvo-me e não fujo
Porque sei que é meu refúgio
Onde posso encontrar o Amor.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

14 de mai de 2013

Poesia: Aprendiz de Bolhas de Sabão














Aprendiz de Bolhas de Sabão

E como um sopro de vida
Encho essa bolha que flutua
Na imensidão deste espaço
Que não sei onde a levará

Viajo com ela alguns sonhos
Nesta imaginação de menino
Mundos ainda não percorridos
Distantes de minha realidade

Ainda nato aprendiz
De muitas bolhas que eu fiz
Explodiram num sopro forte
Outras nem tiveram a mesma sorte

Presos as minhas mãos
Sonhos pairaram no ar
Feitos Bolhas de sabão

Jorge Jacinto da Silva Jr.

13 de mai de 2013

POESIA: Bem que poderia ser fome...















Bem que poderia ser fome,
Este aperto enorme
em meu estômago a sentir.

Contudo, sei que é ansiedade,
esta maldade que pratico
todos os dias contra mim.

Jorge Jacinto da Silva Jr.

10 de mai de 2013

Poesia: Álbum de Fotografias





Album de Fotografias
 
Imagens pintadas
Na linha do tempo,
Telas à óleo trabalhadas
No ateliê de meus pensamentos.
 
Trazem à memória
Um breve ar de nostalgia.
São as mesmas cores da trajetória
Dos amores que me valiam.
 
Neste regresso ilusório
Volto a ser criança,
Porque são em fotos
Que aqui o tempo descansa.

Jorge Jacinto da Silva Junior

9 de mai de 2013

Poesia: Ausência em Mim






Ausência em mim

Sinto falta de algo bom em mim.
Algo que me deixe mais esperto, enfim,
Diferente deste vazio sombrio mal-acabado.

Algo que meu peito aperta.
Grito alto que me desperta,
Para quem sabe encontrar-me calado.

Algo concreto como cimento.
Longe de um olhar ciumento
Vivo um pouco mais feliz.

A Ausência em mim é alimento,
Das milhões tentativas acertar no sentimento.
Contudo, a ausência não é tão ruim assim.

Jorge Jacinto da Silva Junior

8 de mai de 2013











A PORTA CORRETA

O Amor abre muitas janelas...
Deixa a luz do sol entrar
Para iluminar e acalmar a espera,
Da escolha da porta correta.

Jorge Jacinto da Silva Junior

6 de mai de 2013

Poesia: A Rosa













A Rosa

Vermelha de tudo!
Rosa flor gótica.
Espinhos verdes
Ainda esperam,
Outras dores do mundo,
Por ficarem maduros.

Jorge Jacinto da Silva Junior

3 de mai de 2013

Poesia: Superação


SUPERAÇÃO

SUPERAR OS DESAFIOS...
É NADAR UM TURBULENTO RIO
CONTRA SUAS CORRENTEZAS.
TODAVIA EXAUSTIVO E DESANIMADOR,
CONTUDO, QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA.

Jorge Jacinto da Silva Junior

2 de mai de 2013

Poesia: Amor e Vaidades


Amor e Vaidades

Nisso que consiste,
O amor na verdade.
Desatar de nós impostos
Por nossas vaidades.

Jorge Jacinto da Silva Junior

30 de abr de 2013

Poesia: Voo Livre


Voo Livre

A imensidão desses ares,
Não medem a liberdade
Que sinto em me sentir.

Jorge Jacinto da Silva Junior

29 de abr de 2013

Poesia: A Noiva Graciosa


A Noiva Graciosa

Encanta-me Estrada florida
Na primavera de ipês rosas,
Como buquê de noiva querida.
Serra da Graciosa.

Autor: Jorge Jacinto da Silva Junior

26 de abr de 2013

Poesia: A Origem


A Origem

De onde você vem,
Que só maravilhas tem
Pedaços de você.

Jorge Jacinto da Silva Junior

23 de abr de 2013


A Luta

Bateu algo forte em mim
Feito cruzado de direita,
Talvez fosse besteira
Mas me nocauteou.

Ouvi a contagem imóvel.
Não tinha mais forças e caí.
Esta luta contra o amor
Antes de começar já a perdi.

Jorge Jacinto da Silva Junior

16 de abr de 2013



A Dor

Adoraria que esta dor passasse
Sem que eu aos poucos morresse.
Seria o ideal propósito para qualquer fim.
E no entendimento de tal felicidade plena,
Imagino em ser uma coisa pequena
Se pensar que esta dor só age em mim.

Jorge Jacinto da Silva Junior

3 de abr de 2013

POESIA: A CURA




A CURA

Amor, cura dores.
Amor que cura
Dores do Amor.

Jorge Jacinto da Silva Junior


Cartão de Poesia
(clique na imagem para ampliar)