14 de set de 2012

Poesia: CODINOME




Codinome

Se não for amor... Só pode ser apelido!
Algo que ninguém ainda definiu na certa.
A quem diga ser doído como um castigo,
Mas faz no apaixonado peito morada eterna.

Vem perfumando o ar em versos de poesia,
Como tudo que é lindo deveria vir.
Chega de repente como doce magia,
Para tornar-se valioso e nunca da vida partir.

Procura-se por todos os ventos o seu significado,
De todo sentir que vem de encontro ao viver.
Compartilha em cada respirar tudo ao seu lado,
É o mais puro AMOR que sinto por você.

Autor: Jorge Jacinto da Silva Junior
 


"Eu protegi o teu nome por amor. Em um codinome, Beija-flor..."

Cazuza



Cartão de Poesia
(clique na imagem para ampliar


Um comentário: