14 de mai de 2013

Poesia: Aprendiz de Bolhas de Sabão














Aprendiz de Bolhas de Sabão

E como um sopro de vida
Encho essa bolha que flutua
Na imensidão deste espaço
Que não sei onde a levará

Viajo com ela alguns sonhos
Nesta imaginação de menino
Mundos ainda não percorridos
Distantes de minha realidade

Ainda nato aprendiz
De muitas bolhas que eu fiz
Explodiram num sopro forte
Outras nem tiveram a mesma sorte

Presos as minhas mãos
Sonhos pairaram no ar
Feitos Bolhas de sabão

Jorge Jacinto da Silva Jr.

Nenhum comentário:

Postar um comentário