2 de abr de 2015

Poesia: Noite Solidão




















Noite Solidão

No silêncio da noite, faço e me desfaço em meus sonhos.
Uma utopia de sentimentos inconcretos e estranhos.
Tento imaginar todos os instantes que estive tão perto,
Mas tudo se perde como uma miragem em um deserto.

A escuridão da noite me envolve... eu não a condeno!
Como uma criança então começo a chorar de medo.
Chorar lágrimas que não dizem o que quero que digam,
Em um mar onde ondas me levam para longe ao infinito.

Em um beijo seu reparo, que o céu ficou tão próximo,
Que sem esforços posso alcançá-lo ainda.
Penso que voando posso encontrar-me em seu abraço,
Mas descubro que não há mais asas e começo a cair,
No vazio de tudo que pensei que sentia.

A solidão da noite é tudo que agora me resta.
Um complemento para o espaço que me domina.
A resposta para tudo que eu queria saber.
Minha única companhia, na qual com minha agonia,
Sinto-me compreendido mesmo sem você.

Autor: Jorge Jacinto da Silva Jr.






Nenhum comentário:

Postar um comentário